Eleições 2018: Bolsonaro é o candidato da morte

Não só porque só sabe falar de morte ou porque defende a morte como solução de todos os problemas. Mas principalmente por seu plano econômico ULTRA liberal, que nunca foi adotado por NENHUM país no mundo e por pretender privatizar TUDO, entregando todas as riquezas brasileiras para o capital internacional.

Ele é o candidato da morte não só porque diz que “o erro da ditadura foi torturar e não matar”, mas porque uma saúde privatizada vai matar a parte do povo que não tem como pagar um plano de saúde.

Candidato da morte não só porque encoraja o espancamento de crianças homoafetivas, mas porque pretende retirar todos os direitos trabalhistas levando à precarização das condições de vida e trabalho dos trabalhadores mais pobres.

image

Candidato da morte não só porque disse que “pra mudar o Brasil seria necessário matar uns 30 mil”, mas porque sua política para os conflitos do campo é autorizar o extermínio dos povos indígenas e quilombolas e dos movimentos sociais.

Candidato da morte não só porque defende a pena de morte, mas porque vai permitir que policiais matem jovens nas periferias de maioria negra sem conduzi-los ao devido processo legal.

Candidato da morte porque defende o fim da proteção ambiental e a exploração do meio-ambiente causando a morte da fauna, flora, populações nativas, ribeirinhas, etc.

Candidato da morte pois mesmo nunca tendo atirado em ninguém, nunca tendo matado ninguém, nunca tendo tomado um tiro, nunca tendo ido pra guerra, ele esconde sua covardia falando apenas em armar, metralhar, exterminar, banir e matar eu, você, seus amigos, parentes e todos aqueles que ele apontar como inimigos.

Não se vota 13 pelo PT. Vota-se 13 contra a morte. O Brasil está em jogo. Vota-se 13 pela vida.

LEIA TAMBÉM
Eleições 2018: O desespero do caçado