Março é um mês de celebração, uma temporada onde os olhos se voltam para as mulheres. Se nos demais meses muitas artistas confessam que se sentem invisíveis, é fundamental reconhecer o papel significativo delas na cultura hip-hop, uma cena ainda dominada por vozes masculinas. Em duas semanas, tivemos dois grandes lançamentos que chamaram a atenção, reunindo um time de peso da rima: “Set AJC 2” e “Poetisas no Topo 3”.

Em “Set AJC 2”, a camisa 10 é Ajuliacosta, artista em ascensão que vem se destacando a cada dia, e não só no rap, mas além das fronteiras do gênero. Na faixa, ela convida a produtora Iamlope$$, mais MC Luanna, Duquesa e LAI$ROSA, juntas as MCs entregam rimas que enaltecem as minas e apontam o dedo pra quem duvida de seu talento. Em uma de suas faixas, ela declara: Eu vou cantar o que eu quero, não vou entrar em gravadora. Eu vou montar a minha firma, gangstas fazem assim, tô na bala de eu ser tudo, um testemunho de quem sabe da sua jornada, enfrentando desafios e triunfando sobre eles.

Vale dar o play no clipe abaixo e acompanhar aqui as rimas de cada MC.

Logo depois veio “Poetisas no Topo 3”, da Pineapple StormTV, que dá sequência a um projeto em tom de celebração das mulheres do hip-hop brasileiro. O time repete uns nomes do encontro anterior e junta N.I.N.A, que é do time da Pinneapple, Mac Julia, Ajuliacosta, Mc Luanna, Sodomita, Budah, Maru2D e tem produção da jovem mineira, Attlanta.

As rimas aqui chegam muito mais afiadas e disparando rajadas pra todo lado, e as provocações são todas fundamentais pra que tanto o rap, a indústria, mídia e até o público evoluam. Acho bom se conformar que essa cena é das mina’/ Sеm a sua aprovação, já com nome de poetisas/ Sе nós depender dos cara’, é certo de tá fudida/ Mas tem força que protege e vigia lá de cima, solta N.I.N.A. em suas linhas.

Importante falar que, do beat até o marketing do clipe, passando pela produção e direção, tudo é feito por mulheres, com exceção da cor (Ronnie Outtc) e Mixagem e Masterização (que não deixou claro, pois quem assina é Suarez, mas que talvez seja o Iago Suarez, que assina os trampos do Chris MC). Em outras edições, o projeto já contou com Azzy, Cynthia Luz, Drik Barbosa e Ebony.

 


Apesar de celebrarmos estes lançamentos, não podemos d
eixar de refletir para além de março. Afinal, temos que comemorar as conquistas das mulheres não apenas em um mês, mas sim apoiarmos seus trabalhos colando em shows, largando streaming nas plataformas, reconhecendo seu talento em batalhas de rima e, de alguma forma, fazendo parte do enfrentamento do machismo, em busca da igualdade e do reconhecimento que elas merecem. 

Essas duas faixas servem para apontar o desejo de um futuro breve: que um grupo de minas rimando não seja só sobre resistência, e sim sobre arte, talento e, por que não, apenas entretenimento. Agora, e mais do que nunca, é hora de ouvirmos e celebrarmos as vozes das mulheres, por um amanhã mais justo e igualitário.

Antes de ir, aperte o play no clipe de “Poetisas no Topo 3” e acompanhe as rimas aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + dez =