– por Diego Silver

 

 

 

“Winning Time – The Rise of the Lakers Dinasty” ou “Lakers: Hora de Vencer”, na tradução nacional, é a série que convidou a audiência a uma viagem no tempo, indo direto para a Califórnia dos anos 80, em uma produção construída de uma maneira “exótica” para produções do gênero.

A série lançada semanalmente no HBOmax aborda a transição da NBA na perspectiva do Los Angeles Lakers, uma das franquias mais famosas da liga e responsável pela indústria do entretenimento que envolve o basquete atualmente.

Mas os showrunners da série Max Borenstein e Jim Hecht ousaram na produção. Formatada para ter um tom documental ou o famoso mockumentary, com personagens quebrando a quarta parede conversando com a audiência,  usando filtros oitentistas e câmeras de época levando a audiência de modo imersivo para a Califórnia daquela época.

Tudo isso somado a um design de produção e produção executiva impecáveis com muitas referências do Blaxploitation e uma trilha sonora que vai de Bring It On Home do Lou Rawls a Lift This Hurt do Elvin Spencer, passando por Are You Ready do Rokotto, e é claro pela trilha de abertura My Favorite Mutiny do The Coup.

Agora vem a pergunta: e o basquete? O basquete é a ferramenta necessária para contar essa história e o casting cumpre perfeitamente o seu papel. É impossível olhar o John C. Reilly como Dr. Jerry Buss e não imaginar o dono do Lakers, responsável pela revolução do esporte moderno. Sim, o esporte como entretenimento foi obra de um físico que criava foguetes, que decidiu ir para o ramo imobiliário e depois comprar uma franquia da NBA, por ser apaixonado por basquete.

Além dele, Quincy Isaiah tem todos os maneirismos do Magic Johnson, Solomon Hughes e Jason Clarke, respectivamente, são versões exageradas de Kareem Abdul-Jabbar e Jerry West. Até o Pat Riley, o famoso Poderoso Chefão do Miami Heat, está na série, interpretado por Adrien Brody.

 

Tudo isso é um grande retrato do que era o cenário da NBA e do Lakers nos anos 80 e 90, e que tem o mesmo impacto nos dias de hoje – ou você acha que a HBOmax daria seu prime time de lançamentos para a série se não fosse uma grande aposta?!

Se você clicar nos links das músicas você vai querer ouvir a série, se você conhece alguns dos nomes do casting você vai querer assistir, você pode ser um fã de Blacksplotation ou simplesmente ser um amante do basquete.

No final de tudo, você vai querer ver a série e entender que tudo isso é a mesma coisa que alguém levando o Mickey Mouse para uma festa regada a álcool na mansão da playboy na Califórnia dos anos 80 e 90.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =