Conheça “Máquina do Tempo”, o primeiro álbum do Matuê

Após misteriosas artes estampadas com o rosto do rapper aparecerem em alguns lugares do Brasil, chamando a atenção dos fãs, finalmente a espera acabou – o álbum de estreia de Matuê está entre nós.

Lançado no dia 10 de setembro de 2020, o projeto intitulado “Máquina do Tempo” parou a cena nacional do Trap. No quesito “total de reproduções nas primeiras 15 horas”, TODAS as faixas bateram a marca do hit “Kenny G” do artista (que bateu aproximadamente 900 mil views em 15 horas), e só por aí já podemos ver o quanto o público de ‘Tuê aguardava pelo álbum do rapper cearense. 

‘Máquina do Tempo’ possui sete faixas, com belas produções — sendo a maioria de WIU, mas contando com um toque de Celo1st e Pedro Lotto. Matuê ainda quebrou o recorde de melhor estreia no Spotify Brasil. A plataforma registrou 4,6 milhões de reproduções apenas nas primeiras 24 horas do lançamento, e o álbum segue em alta no serviço de streaming. Também vale lembrar que três das sete músicas do álbum se encontram nos charts de músicas mais acessadas e comentadas do YouTube Brasil (“777-666”, “Máquina do Tempo” e “É Sal”).

Matuê aciona 'Máquina do tempo' para ir além do trap na viagem do primeiro  álbum | Blog do Mauro Ferreira | G1

A faixa mais extravagante de ‘MDT’, com certeza, é a “777–666”. Após os fãs enlouquecerem por suspeitarem que a track teria a participação de nada mais, nada menos do que BC Raff (a.k.a Raffa Moreira), a expectativa foi tanta, que, quando lançada, a música foi uma das mais ouvidas do álbum, junto da faixa que carrega o nome do projeto.

“Andam dizendo que o Tuê é o demônio
Tudo que ele escreve te consome, ayy
Não vai se deixar levar pelo som
É no detalhe que o diabo se esconde, ayy”
– Matuê em “777–666”

Alguns ouvintes consideraram a canção “fajuta”, pois, segundo eles, não haveria necessidade de colocar o “777” no título da track sem a presença de BC Raff como feat. De toda forma, não há como discordar da inteligência e da noção de marketing de Matuê e sua equipe; como se não bastasse deixar os fãs na expectativa sem dar indícios da aguardada colaboração, o artista cearense ainda trouxe clipes que se repetem como GIF’s exuberantes para cada faixa, chegando até a compartilhar algumas teorias de fãs que juntaram cada visualizer do álbum para formar um enredo — visto que o merchan de ‘Máquina do Tempo’ também trará uma HQ adaptada no melhor estilo Marvel com o nome do álbum. 

Ao afirmar que ‘andam dizendo que ele é o demônio’, ‘Tuê, por um lado, não mente. Segundo religiosos, o diabo é muito inteligente e se camufla no meio de nós, usando como sua armadilha, a mentira. Podemos chegar à conclusão de que o artista preenche quase todos os requisitos para ser ‘endiabrado’ — tudo o que o artista lança é viral; o público consome e isso faz com que ele ganhe muito mais fãs e notoriedade na cena.

Como nada são apenas flores para nenhum artista, apesar de grande aceitação e compartilhamento por parte da fanbase, o álbum do rapper cearense foi e ainda vem sendo criticado. Acusado desde plágio na capa do álbum [alguns ouvintes chegaram a comentar que Matuê ‘roubou’ a ideia de capa do álbum do rapper estadunidense Comethazine] até à ‘tentar soar tanto como Travis Scott ao ponto de perder completamente a originalidade’, o artista vem tendo que lidar com duras críticas sobre ‘MDT’.

Comethazine – Bawskee – Reviews – Album of The Year


Algo que até mesmo os fãs devem saber e reconhecer é que Matuê não é um rapper com a lírica muito afiada — muito disso também vem sendo motivo de críticas em todas as redes. A maioria dos ouvintes de Trap sabem que a vertente musical não é impactante como muitos vivenciaram na ‘golden era’, na década de 90 (em questão de letras e métricas), porém, não é difícil de se notar que vários rappers que são colocados no mainstream, por muitas vezes, padecem no quesito “composição” — seja até mesmo por falta de tempo pela agenda lotada, ou por “pura preguiça”, como vários fãs e ouvintes do estilo originário de Atlanta vêm dizendo mês após mês, colocando novos artistas na “blacklist” da ‘composição fraca’, sem deixar alguns velhos nomes de fora; como é o caso de ‘Tuê, que desde alguns singles atrás, vem sendo cobrado por haters e por fãs.

Matuê vai se apresentar pela primeira vez no Opinião, em Março – Jornal no  Palco

Matuê começou a ganhar certa fama na música em 2016, e só vimos o álbum de estreia do artista quatro anos depois. Não seria nada incomum se um próximo projeto compilado do artista demorasse mais alguns anos para sair; porém, como ‘Tuê pegou todos de surpresa com “Máquina do Tempo”, talvez os fãs possam ficar mais tranquilos sobre um futuro álbum em um futuro não tão distante.

Ouça “Máquina do Tempo”.