5 perguntas: FyeBwoii

Todo ano a gente vê um novo nome surgindo, uns estouram pro grande público, outros criam sua importância no underground, mas a verdade é que ninguém surge do nada. Nunca.

A mixtape da Gigantes, selo encabeçado por BK’ e seu time tem um nome sugestivo interessante: Verão Criminoso.

Nessa pegada, surge um mano que praticamente roubou a cena na tape e pra felicidade da equipe, tá associado a label, eu tô falando do FyeBwoii. Com 19 anos recém comemorados, o artista tira onda na caneta, amassa nas melodias e quebra tudo nos refrões.

Iniciando o quadro “5 perguntas” convoquei o FyeBwoii através do meu chapa Diazz, DJ do BK’ e produtor da nova contratação da gigantes, pra bater um papo responsa, sobre carreira, projetos e o que ele espera do futuro. Saca só:

1 – Como começaram teus corres na música? Fala pra gente o ano que você começou e teus primeiros projetos.

Comecei na musica primeiro só como beatmaker, no final de 2018, e fiz meu primeiro som e soltei no meio de 2019, no soundcloud, se chamava FYE freestyle, tb lancei Ela quer vir, uma das minhas primeiras músicas, que na época fizeram até um barulho dentro da bolha do site. Ela bateu 100k de plays lá.

No começo eu tinha um notebook pra produzir os beats, mas gravava as músicas com o microfone do celular, em casa mesmo. fui aprendendo a me produzir aos poucos, fazendo beats, mixando, e lancei uma mixtape em 2020 Breaking That shit mixtape 100% produzida por mim, com todas as faixas gravadas com o microfone do celular também.

Ganhei meu primeiro microfone em 2021, um c1 USB, ganhei de um primo meu que me apoiou desde o inicio, não só eu, como meus outros primos a fazer música também.

2 – Quais a participações relevantes você já fez?

Já participei do disco do VND, como produtor, na faixa RUNNER, em 2021 e pulei na Verão Criminoso, num feat com o BK’ e o Luccas Carlos.

 

3 – Conta um pouco de onde tu vem, bairro, e as pessoas importantes pro teu corre acontecer.

Sou morador de duque de Caxias, na baixada, cria do corte 8. Acho que a base de apoio mais importante que eu tenho é a da minha família, não só meus pais, que me apoiam muito, mas outras pessoas, como meus primos que fazem música comigo também, que sempre acreditaram em mim.

4 – Fala um pouco da tua participação na verão criminoso e como é tua relação com a gigantes.

Foi uma honra ter participado desse projeto, ainda mais pela forma que tudo aconteceu, muito foda estar trabalhando com uma das minhas maiores referências no rap desde muito tempo.

O contato com a Gigantes veio de uma forma inesperada, foi um amigo do meu bairro que mostrou meu álbum Refugium pro irmão do DJ Diaz e posteriormente acabou chegando no BK’, depois disso tivemos o primeiro contato pessoalmente em maio do ano passado.

Começamos a trampar juntos em algumas faixas que eu participei da mixtape, produzindo uns beats no estúdio pra projetos futuros

5 – Fala dos projetos que você tá pra soltar em 2024?

Esse ano vai sair vai sair meu novo álbum. As faixas estão quase todas prontas. Tô produzindo ele desde que lancei o meu último álbum, quase 1 ano atrás. Também produzi todos os beats desse álbum.

Eque é o maior e o melhor projeto que eu planejo pra esse ano, mas antes do álbum pretendo lançar uns singles pra me mostrar mais, pra rapaziada ir me conhecendo.