Por que não assisti “Olhos que Condenam” (Netflix)

A ideia de racismo era meio vaga na minha cabeça até uns 10 anos de idade. Antes, eu achava que ser racista se resumia única e exclusivamente a chamar uma pessoa preta de “macaco”, insultar pela cor e afins. Inclusive, já tive algumas posturas que com certeza eram racistas, até no “cota é esmola” eu já entrei.

A lavagem cerebral funcionou bem. Durante um processo de amadurecimento e minha afirmação como negro, muito influenciado pela presença do rap na minha vida, fui sacando que o buraco era muito mais embaixo. Racismo é muito mais que essas simples ações.

Era o fato de 54% da população brasileira ser negra, mas só 17% de nós ser considerada como ricos (dados do IBGE). A parada aqui não tem nada a ver com grana, mas uma estrutura racista e escravocrata que coloca a gente, preto, lá atrás. Feito esse pequeno prelúdio, vamos ao motivo desse texto: o local onde eu trabalho e os “olhos que condenam”.

Contextualizando

O escritório da agência onde eu trampo fica no Humaitá, zona sul, parte nobre do Rio de Janeiro. E como uma parte rica da city, já dá para prever como são as coisas por lá – é isso mesmo que você está pensando, acho que nem preciso entrar em detalhe.

No caminho do ônibus até a agência, acontece o tipo de racismo que mais dói, os olhares. Eles falam muita coisa em pouquíssimos segundos, você consegue sentir as palavras, mesmo que elas tecnicamente não existam. Mercados caros, padarias absurdas, escolas bilíngues e isso tudo é muito distante de onde eu venho. É meio impossível não relacionar minha vivência à série “Olhos que Condenam” (da diretora Ava DuVernay, Netflix) que, inclusive, não consegui terminar por motivos de ódio e medo.

Esses dias, saindo da agência, uma senhora que aparentemente morava por perto, perguntou o que “rolava” por lá. Aliás, deixa eu contextualizar: a agência fica numa casa, muito linda por sinal, e que não parece que funciona um escritório (sério!). Voltando, essa senhora perguntou o que tinha ali e calmamente respondi que se tratava de uma agência de publicidade. Depois de tudo, ela me perguntou o que eu fazia lá e respondi de pronto: “sou estagiário de redação publicitária”.

Pronto, os famosos olhares que falam logo surgiram

Talvez eu até tenha entendido errado. Talvez ela só esteja surpresa pelo fato de eu ser tão novo e trabalhar e estudar. Talvez ela só esteja surpresa que exista uma função chamada “redação publicitária”. Talvez eu até esteja certo, os olhos que condenam entraram em ação e a senhora não entendeu como um jovem negro tenha chegado nessa posição. Minha vida sempre foi cercada de dúvidas.

Voltando pra série


Eu não consegui passar do primeiro episódio. Dói. Dói muito! Eu me coloquei no lugar desses cinco meninos que tiveram a vida destruída pelo racismo. Por causa de um sistema que sempre atira primeiro e pergunta depois. Ou às vezes nem pergunta. Por conta de um Donald Trump que simplesmente PAGOU uma grana ($80 mil) para colocar um anúncio de duas páginas no jornal The New York Times para pedir a pena de morte pra esses cinco jovens inocentes da história, que é verídica. 

Aqui, o presidente eleito que temos muito se assemelha a Donald Trump, revelando ideais racistas e a favor do armamento da população, que pode acarretar problemas que geralmente sobram para a população negra. O entretenimento passa longe quando pensamos em um Brasil em que 75% das vítimas de homicídio são negros (segundo estudo do Ipea e do Fórum Brasileiro de Segurança).

“Olhos que condenam” é uma série muito difícil de ser vista. Nem falo isso da boca pra fora, é bem literal mesmo. Conheço vários amigos negros que não conseguiram passar do primeiro episódio, e se conseguiram, foi soluçando horrores de tanto chorar. Agora, se assistir a série te dá arrepio, imagina para quem sente na pele? Aqui os olhos nos condenam todos os dias, e eles nem tiram uma pausa para o almoço.